terça-feira, 17 de julho de 2007

Procura-se

(22/07/2003)

Preciso da sua ajuda para encontrar uma pessoa. Talvez alguém a tenha visto por ai, assim segue a sua descrição.

Bom, ela é bonita. Não, não é linda e deslumbrante ou o perfeito modelo da Capa de Marie Claire. Não se encaixa em nenhum estereótipo. Sua beleza singela agrada aos olhos por possuir harmonia nos traços de seu rosto. Nada de mais. Para alguns pode até ser taxada de "simpática", ou, como se diz por ai, a feinha arrumadinha. Pura maldade!

Olhos, nariz e boca, claro, mas nada muito excepcional. Apenas aquela coerência de traços é que é notória.

Quanto ao corpo? Não sei bem ao certo, porque não é algo que precisei reparar. Sabe como é: é bobagem achar que um corpo lindo irá manter-se impecável para sempre. A gravidade é implacável.

Mas ela é preocupada com o seu próprio corpo e gosta muito de estar bem com ele. E cultiva toda sorte de hábitos saudáveis. Isso é legal nela, porque, você sabe, eu mesmo preciso me cuidar. Sabe aqueles quilinhos? Pois é.

E ao lado dela seria tão mais fácil administrá-los. Não é que eu precise de estímulo externo pra me manter em forma...


A quem estou tentando enganar? Preciso sim, ou então passo a comer toda a sorte de bobagens e ai... Bom, mas isso é outro assunto.

O que mais? Sim, inteligente! Não que ela seja nenhum gênio, mas o suficiente para estabelecer uma conversação gostosa e fluente, nunca incluindo no meio de um diálogo algo do tipo "Acho melhor NOSCO atravessarmos". Também tem alguma noção de como se comporta o nitrogênio líquido... Bom, deixa isso pra lá.

Mas a sua maior qualidade está mesmo nas pequenas coisas que ela faz.

Aquelas, bem pequenininhas mesmo, mas que fazem a maior diferença.

Sabe como é?

Dividir uma taça de vinho enquanto cortamos alguns legumes na cozinha para um almoço feito a quatro mãos em um fim de semana. E depois sair para comer fora e rir muito relembrando o sabor pouco agradável do resultado.

Gostar de receber um morango ou outra fruta da estação, num ritual primitivo de alimentação boca a boca.

Colocar pasta na sua escova de dentes, enquanto você toma o seu banho matinal.

Esperá-lo à noite, naqueles dias em que você tem que trabalhar até mais tarde e cansada adormecer no sofá só para você poder carregá-la no colo até a cama.

E quando você chega de péssimo humor, cansado, só querendo dormir, ela deita-se ao seu lado e lhe abraça. Inicialmente com um braço, depois com uma perna sobre você e encostando sua boca junto ao seu ouvido e sussurrando: "Que pena! Justo hoje que eu estava te querendo um montão".

Também detesta brigar, e quando sente que você está muito a fim, lhe mostra, com palavras firmes, mas ao mesmo tempo doces, o quanto você está sendo idiota, deixando-o com a maior cara de tacho.

Tem também aquele olhar. Sabe, ela olha pra você fixamente por uns três segundos com aquele olhar terno, meigo, profundo e quente, que lhe transmite apenas duas palavras: "TE AMO!".

E porque ela me deixou? Ela não me deixou. Na verdade eu nunca cheguei a conhecê-la. Nem sei bem ao certo se ela existe.

Por isso peço a sua ajuda.

E se você, meu amigo, conhece alguém assim, cative-a e não a deixe escapar de maneira nenhuma, ou, me avise.

Seguramente, um de nós dois será o homem mais feliz do mundo!

Um comentário:

Helen Soraia disse...

Clóvis, adorei o texto! Pura verdade, mas não impossível de se encontrar...!

Acho que é o sonho de toda mulher também, caso fosse redigido ao inverso...

Você é um artista...super eclético...!

Beijo grande!